Saiba mais sobre o uso de cookies

ATENÇÃO ! Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.

A análise realizada sobre o acesso aos cuidados de saúde mental revelou que...

A análise realizada sobre o acesso aos cuidados de saúde mental revelou que...
19:58:31 23-07-2015 Sentido de Si Blogue

Descrição

O Relatório Primavera 2015, da autoria do Observatório Português dos Sistemas de Saúde (OPSS) revela o estado dos cuidados de saúde mental em Portugal. Apresentamos-lhe a notícia e o relatório na íntegra.

A notícia de 18 de Junho de 2015, publicada no jornal online da universidade de évora, em relação à saúde mental, sintetiza a informação do relatório da seguinte forma que transcrevemos:

«A análise realizada sobre o acesso aos cuidados de saúde mental revelou que, em Portugal, continua a assistir-se a um processo de desinstitucionalização dos doentes que não está a cumprir o plano pré-definido.

A implementação nacional da Rede de Cuidados Continuados de Saúde Mental revela avanços demasiado lentos, gerando assimetrias regionais entre doentes e famílias.

Em suma, os portugueses ainda têm acesso aos cuidados de saúde estatais, apesar de esse direito estar ameaçado se não forem acionadas medidas que corrijam muitas das debilidades encontradas na análise realizada.

É urgente tomar medidas corretivas, a priori, relativas aos recursos humanos (médicos e enfermeiros) e materiais (camas) que desbloqueiem os serviços de urgência nos períodos críticos. Não pode continuar a ser o rigor do Inverno ou do Verão a ditar a atuação política, nesta matéria. A importância de uma campanha nacional de sensibilização sobre o acesso aos serviços de urgência também se impõe e certamente ajudará a diminuir o uso indevido destes serviços, com ganhos para todos.

A RNCCI necessita de um forte investimento/impulso para garantir o acesso de todos os doentes quer a camas, quer a cuidados domiciliários consoante a sua condição e para a efetiva implementação da Rede de Cuidados Continuados de Saúde Mental, com o aumento dos cuidados domiciliários, mais acessíveis e de menor custo para estes doentes e respetivas famílias. 

Para inverter o ciclo negativo associado à área do medicamento impõe-se uma atuação conjunta de todos os stakeholders do sector farmacêutico, de forma a não apenas garantir, mas aumentar o acesso, não só ao medicamento em geral e aos medicamentos realmente inovadores, sem que a sustentabilidade do sistema de saúde seja colocada em causa.

Ao nível da segurança do doente é imperioso compreender que para o Estado é menos oneroso apostar numa política da qualidade e segurança dos cuidados, do que na efetiva reparação/indemnização dos danos resultantes da prestação de cuidados de saúde. O caminho a ser percorrido passa necessariamente pela adoção estrita das recomendações internacionais, nomeadamente da UE e da OMS, criando mecanismos que garantam a confidencialidade e a não punibilidade dos sistemas de notificação de incidentes e eventos adversos e acionando a interoperacionalidade entre os sistemas locais (hospitais) e o sistema nacional (DGS), evitando o desperdício de meios e de tempo e fazendo bom uso dos sistemas de informação.»

Relatório (em pdf) aqui

 


Tags:

Partilhar


Comentários

Assine a Newsletter e junte-se a nós!

Ajude-nos a encaixar as peças!

Divulgue connosco

Divulgue aqui

Rede de Parceiros

  • InvoiceXpress
    ACEGIS
  • Freguesia de Mafamude e Vilar do Paraíso
    GoUpBuzZ.com
  • Mafalda Palolo
    Banco de Inovação Social